Ekādaśī Vrata

 

Por Patrick van Lammeren

 

Ekādaśī é o 11º dia de cada quinzena no calendário lunissolar hindu. Há, portanto, dois dias de Ekādaśī por mês, um na fase clara e outro na fase escura da Lua. Eles são considerados especiais para os devotos de Viṣṇu, e a realização de disciplinas nestes dias ao longo de um ano é considerado um compromisso auspicioso.

 

A Padma Purāṇa conta a história de um terrível asura chamado Mura. Viṣṇu lutou contra ele durante mil anos, mas o asura era muito poderoso. De forma a iludi-lo, Viṣṇu recuou para as montanhas dos Himālayas, e se escondeu em uma caverna próxima ao monte Badarī, fingindo estar cansado e fraco. Mura o seguiu, entrou na caverna e o viu dormindo. Mas quando levantou sua espada para atacá-lo uma Devī surgiu do corpo de Viṣṇu, e entoando o mantra "Hum" o transformou instantaneamente em cinzas.

Viṣṇu acordou com o ocorrido e, vendo o que havia acontecido, a homenageou com o nome de Ekādaśī Devī, por ser o décimo primeiro dia da fase clara da Lua. Além disso, considerou que todos os dias de Ekādaśī seriam especiais para ele, sendo ótimos dias para fazer jejum e disciplinas.

 

Outra história associada à vrata, também da Padma Purāṇa, conta que no início da Criação um terrível ser foi criado, chamado Pāpapuruṣa, a encarnação do próprio Pāpa, demérito. Sua função era ensinar aqueles que cometem atos terríveis, não respeitando o Dharma. Um dia, Viṣṇu foi visitar Yamarāja, deus da morte, e enquanto conversavam ele escutou gritos terríveis. Yama explicou que eram gritos daqueles que sofriam nos mundos inferiores, como consequência de suas ações em vida. Viṣṇu foi ver por si mesmo e, tomado de compaixão pelas pessoas, manifestou de si mesmo Ekādaśī Devī, considerando que estes dias seriam propícios para a eliminação de Pāpa. Mas, após um certo tempo, Pāpapuruṣa foi até Viṣṇu apavorado com Ekādaśī Devī, e disse que não havia onde ele pudesse estar seguro nestes dias! Viṣṇu, então, o tranquilizou, e o orientou a se esconder nestes dias em todos os tipos de grãos, onde Ekādaśī não o atormentaria. A partir deste dia, então, aqueles que realizam Ekādaśī Vrata se abstêm de qualquer tipo de grãos nestes dias.

A realização do Ekādaśī Vrata é aconselhável durante o período de um ano, iniciando preferencialmente no Utpannā Ekādaśī, que neste ano de 2020 será dia 10 de dezembro. A disciplina padrão é o jejum, no mínimo se abstendo de grãos e cereais, mas podendo ser expandido até o jejum total. Como são 2 dias por mês durante um ano, Ekādaśī é uma disciplina intensa, que precisa ser planejada e realizada com os devidos cuidados, para não cruzar o limite do saudável.

 

Para aqueles que tiverem interesse em realizar a vrata, seguem algumas instruções:

 

1) Defina o tipo de jejum a ser realizado. Em todos os casos se deve abster do consumo de carne, ovos e álcool. A partir daí, as opções podem ser:

- Jejum completo
- Jejum com frutas, sucos e chás
- Jejum somente de grãos e cereais

 

De acordo com o Āyūrveda, a medicina tradicional védica, o doṣa, ou biotipo, precisa ser considerado nesta definição. Pessoas do tipo Kapha são mais resistentes, do tipo Pitta são medianos, e do tipo Vāta são menos resistentes. Para a pessoa do tipo Vāta, o jejum completo definitivamente não é recomendado. Na dúvida, especialmente se não há o hábito de realizar jejuns, se comprometa com o tipo mais leve de jejum, neste caso a abstenção de grãos e cereais, que é a prescrição básica do Ekādaśī Vrata - lembre-se que o compromisso é por um ano! Caso já tenha tido alguma experiência anterior em jejum e sinta ser viável, o segundo tipo pode ser então estabelecido, mantendo nestes dias a alimentação restrita a frutas, sucos e chás. Geralmente este é o tipo de jejum padrão em nossa linhagem tradicional. O compromisso de jejum completo deve ser feito somente por aqueles que já realizaram este tipo de jejum e têm os cuidados devidos para evitar problemas com ele. Neste tipo de jejum não há a ingestão de nenhum alimento; algumas pessoas tomam chás, outras se limitam a somente água, e outras não tomam nem mesmo água. Novamente, somente pessoas com biotipo compatível, conhecimento e experiência podem realizar este tipo de disciplina.

 

Cabe observar que o objetivo não é considerar a intensidade do jejum como uma capacidade adquirida progressivamente, e tampouco ela tem real importância na disciplina. Naturalmente, maior esforço produz maior resultado, mas é sempre importante que seja dentro do razoável e do viável. De outra forma, a disciplina que tem por objetivo trazer uma qualidade Sattva na mente, de maior clareza e devoção, se torna Rajas, com o objetivo de superar a si mesmo e aos outros, ou mesmo Tamas, onde há um prejuízo à sua saúde e a geração de mais obstáculos.

 

Mais ainda, apesar do compromisso ser algo importante, caso identifique durante o período da vrata que a disciplina está intensa demais, não hesite em reduzir sua intensidade ou interromper a vrata. Definitivamente não é o melhor - por isso é importante refletir antes sobre as suas possibilidades. Mas o replanejamento ou desistência em caso de necessidade é sempre preferível a um malefício decorrente da disciplina. Nenhuma consequência negativa ocorrerá com isto, a não ser a perda do benefício e o não cumprimento do compromisso consigo mesmo, nada que não possa ser lidado ou remediado com uma próxima vrata mais razoável.

 

2) Estabeleça uma prática a ser realizada relacionada a Viṣṇu, de acordo com o seu conhecimento. Alguns exemplos são:

 

- A realização de uma Pūjā, caso saiba como fazer;
- Uma meditação em Viṣṇu;
- O canto de um Stotram para Viṣṇu;
- Japa, a repetição de um mantra para Viṣṇu.

 

Se possível fazer todos, melhor ainda! Mas, novamente, é preciso ponderar as possibilidades, tanto em termos de conhecimento das práticas quanto em termos de viabilidade. O mínimo a se fazer é Japa para Viṣṇu, a repetição de 108 vezes de um mantra, que pode ser:

Om namo bhagavate vāsudevāya |

Assim sendo, nos dias de Ekādaśī devem ser seguidas as seguintes orientações:

a. O jejum estabelecido tem início ao nascer do Sol e termina no nascer do Sol do dia seguinte;
b. Ao acordar, preferencialmente, tomar um banho e realizar a prática estipulada; somente em seguida, caso o jejum não seja completo, tomar o café-da-manhã. Caso não seja possível realizar a prática logo pela manhã, realizar ao longo do dia no momento em que for possível;
c. Quebrar o jejum somente no dia seguinte, após o nascer do Sol.

 

No primeiro dia, Utpannā Ekādaśī, antes da prática é preciso fazer o Saṅkalpa, que é o estabelecimento da disciplina e seu propósito. Ao acordar, tomar um banho e sentar no seu lugar de meditação. Após os cantos iniciais que geralmente faz - caso não faça, entoe o mantra Om 3 vezes -, se concentre e, com os olhos fechados, diga em voz alta ou mentalmente os três parâmetros do Saṅkalpa:

1- O que será feito (o tipo de jejum e a prática estabelecida);
2- Quando será feito (nos dias de Ekādaśī, durante o período de 1 ano);
3- O objetivo a ser alcançado.

Em qualquer ação, e especificamente nas disciplinas e vratas, é importante ter claro o objetivo, e ponderar bem o que se deseja. No geral, em nossa linhagem o principal não é a obtenção de coisas ou modificações de situações, ainda que seja possível e eventualmente desejável. Mas o principal é, sempre, a obtenção de uma clareza de mente na direção do autoconhecimento, a apreciação do Divino, e por isso as disciplinas são feitas por devoção, e não para a obtenção de resultados específicos no mundo. Ainda assim, com as devidas ponderações, adicione o que mais é importante para você neste momento. Um exemplo simples de Saṅkalpa padrão, então, seria:

"Om. Inicio hoje o Ekādaśī Vrata, no qual farei jejum com frutas, sucos e chás, e Japa para Viṣṇu nos dias de Ekādaśī durante o período de um ano, com o objetivo de obter clareza de mente, em devoção a Viṣṇu. Om!"

Depois de estabelecido o Saṅkalpa, inicie, então a prática estabelecida.

 

Após o período de um ano, com a conclusão do 24º Ekādaśī, é considerado auspicioso e uma boa prática realizar uma doação para quem precise, como uma instituição de necessitados. Tendo finalizado todas as práticas, cante mentalmente OM TAT SAT, em agradecimento e como forma de eliminar qualquer erro que tenha sido cometido no processo.

 

As datas dos Ekādaśīs do próximo ano se encontram abaixo, sendo válidas tanto para o Brasil quanto para Portugal:

 
Dezembro 2020

10/12 - Utpannā Ekādaśī
25/12 - Vaikuṇṭhā/Mokṣadā Ekādaśī (Gītā Jayantī)

Janeiro 2021

09/01 - Saphalā Ekādaśī
24/01 - Pauṣa Putradā Ekādaśī

Fevereiro 2021

07/02 - Ṣaṭṭilā Ekādaśī
23/02 - Jayā Ekādaśī

Março 2021

09/03- Vijayā Ekādaśī
24/03 - Āmalakī Ekādaśī

Abril 2021

07/04 - Pāpamocanī Ekādaśī
23/04 - Kāmadā Ekādaśī

Maio 2021

07/05 - Varūthinī Ekādaśī
22/05 - Mohinī Ekādaśī

Junho 2021

05/06 - Aparā Ekādaśī
20/06 - Nirjalā Ekādaśī

Julho 2021

05/07 - Yoginī Ekādaśī
20/07 - Devaśayanī Ekādaśī

Agosto 2021

04/08 - Kāmikā Ekādaśī
18/08 - Śrāvaṇa Putradā Ekādaśī

Setembro 2021

02/09 - Ajā Ekādaśī
17/09 - Pārśvā Ekādaśī

Outubro 2021

02/10 - Indirā Ekādaśī
16/10 - Pāśāṅkuśā Ekādaśī
31/10 - Ramā Ekādaśī

Novembro 2021

14/11 - Prabodhinī Ekādaśī
 

Por fim, desejo a todos que decidam fazer este compromisso um ótimo Ekādaśī Vrata, e que Viṣṇu nos abençoe!

Hari Om!
Patrick van Lammeren